Saúde orienta sobre prevenção e tratamento de hanseníase

11 de janeiro de 2019 às 15:13

Janeiro é o mês da campanha mundial de combate e prevenção à hanseníase. Quanto mais cedo for o diagnóstico da doença, mais rápida é a cura. A Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) orienta sobre os principais cuidados para evitar o contágio da doença.

Doença crônica e infectocontagiosa, causada pelo bacilo de Hansen (Mycobacterium leprae), a hanseníase não é hereditária e a evolução depende de características do sistema imunológico da pessoa que foi infectada. A transmissão se dá entre pessoas. Ao sinal dos primeiros sintomas como manchas brancas ou avermelhadas na pele e perda de sensibilidade, deve-se procurar a Unidade Básica de Sáude (UBS) mais próxima.

A vigilância e o controle da hanseníase, por meio de ações com foco na Atenção Primária, podem facilitar o acesso ao tratamento oportuno reduzindo as incapacidades físicas, que são a mais séria consequência de um diagnóstico tardio. Em 2018, o Ceará registrou 1.700 casos de hanseníase.

Como prevenir

A doença é transmitida de uma pessoa doente que não esteja em tratamento para uma pessoa saudável suscetível. É importante convencer os familiares e pessoas próximas a um doente a procurarem uma UBS para avaliação, quando for diagnosticado um caso de hanseníase na família. Dessa forma, a doença não será transmitida nem pela família nem pelos parentes próximos e amigos.

A hanseníase tem cura, mas pode causar incapacidades físicas se o diagnóstico for tardio ou o tratamento não for realizado adequadamente, pelo período recomendado pelo médico, já que atinge pele e nervos.

Tratamento gratuito

O tratamento para hanseníase é gratuito e oferecido na rede básica do Sistema Único de Saúde (SUS). No Ceará, o Centro de Referência Nacional em Dermatologia Sanitária Dona Libânia, da rede Sesa, é uma das principais referências de acompanhamento e atendimentos às pessoas com hanseníase. Fica na Avenida Pedro I, 1033, Centro.

O atendimento é de segunda a sexta-feira, das 7 às 17 horas. A primeira consulta é por meio da Central de Regulação, quando o paciente é encaminhado de um posto de saúde. Para pacientes com hanseníase, a demanda é espontânea. Ou seja, a primeira consulta não precisa de encaminhamento.

Na assistência, além de atendimentos a pacientes com hanseníase, o Centro Dona Libânia realiza também atendimentos em dermatologia geral, dermatologia pediátrica, DST/Aids, oncologia cutânea, alergia, dermatoses ocupacionais, cirurgia dermatológica, entre outros.

Repórter Ceará

Compartilhar...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Os comentários estão fechados
Mídia Kit

Anuncie no Repórter Ceará

Baixe o Mídia Kit


Contato: jornalismo@sistemamaior.com.br

Anúncio
Entendendo A Notícia
Curta nossa página
Escute ao vivo
SerTão TV
Mais Lidas
Visite-nos
Tempo