Movimentos de mortos são comuns, diz especialista

17 de agosto de 2019 às 16:40

Após um velório ser interrompido na cidade de São Luís do Curu, interior do Ceará, nessa sexta-feira, 16, devido à família de um morto ter acreditado que ele estaria vivo, especialistas esclareceram o que pode ter acontecido para os parentes terem a impressão sobre ainda ter sinais vitais no corpo.

O coordenador do Laboratório de Anatomia da Universidade Federal do Ceará (UFC), Helson Silveira, informou ser comum ocorrer contrações involuntárias após a morte. Segundo Silveira, esse fenômeno pós-morte pode ser caracterizado porque as células morrem gradativamente e assim há contrações involuntárias do músculo.

“Às vezes é comum haver esses espasmos e o cadáver contrair a mão, o pé ou até o corpo inteiro. Outro fenômeno que pode acontecer são os gases, urinar, defecar, arrotar. As bactérias começam a se espalhar no intestino e isso dá impressão que o indivíduo está respirando ou se mexendo. São alterações que causam espanto. O suor é comum porque há líquido ainda e esse líquido começa a sair”, disse Herlon.

Uma enfermeira do Instituto Doutor José Frota (IJF) relatou à reportagem que há dois anos estava preparando o corpo de um paciente, quando ele levantou o braço. A mulher recordou que profissionais se assustaram, mas entenderam que se tratava de um espasmo. Helson destaca que, atualmente, devido aos diagnósticos eficazes, é “difícil uma pessoa ser enterrada viva”.

Matéria relacionada:
Família suspeita que parente morto se mexeu e leva o corpo de volta a hospital em São Luís do Curu

Repórter Ceará com informações do Diário do Nordeste (Imagem Ilustrativa)

Compartilhar...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Os comentários estão fechados
Anúncio
Mídia Kit

Anuncie no Repórter Ceará

Baixe o Mídia Kit


Contato: jornalismo@sistemamaior.com.br

Entendendo A Notícia
Curta nossa página
Escute ao vivo
SerTão TV
Visite-nos
Tempo