Espedito Seleiro é homenageado com Troféu Sereia de Ouro 2019

28 de setembro de 2019 às 12:01

Na noite dessa sexta-feira, 27, aconteceu em Fortaleza a cerimônia de entrega do Troféu Sereia de Ouro 2019. Neste ano é celebrada a 49ª edição da realização da homenagem, idealizada pelo chanceler Edson Queiroz e dona Yolanda Queiroz, em 1971. Desde a data, o evento tornou-se o mais antigo ato de reconhecimento do Ceará.

Entre os homenageados, estava Espedito Velozo de Carvalho, o popular e talentoso “Espedito Seleiro”. Natural de Arneiroz, no sertão dos Inhamuns, ainda criança mudou-se para Nova Russas, onde ficou até os 10 anos de idade. De lá, a família já crescida seguiu para Nova Olinda, no Cariri cearense. Até que no ano de 1958, em meio a uma seca que assolou o sertão, o filho mais velho, Espedito, foi tentar a vida nos cafezais paulistas.

Trabalhou por dois anos “nas terras do sul” e quando voltou para Nova Olinda, abriu uma bodega onde vendia “tudo em secos e molhados” e também a primeira sapataria, a fim de dar continuidade ao ofício ensinado pelo pai.

Espedito tinha 21 anos quando conheceu a esposa, Francisca de Brito Carvalho. Da união, nasceram nove filhos, mas somente seis sobreviveram. Para enfrentar as dificuldades, o casal recorreu novamente ao couro.

“Eu fazia a peça, e ela costurava na máquina ou na mão. Aqui, tinha vaqueiro por todo canto, sabe? Aí eu fazia mais era sela e as roupas de couro, que era gibão, perneira, chapéu, luva, guarda-peito. O primeiro gibão que eu fiz, eu não tinha muita prática. Botei as mangas ao contrário”, conta, ao mesmo tempo que ri da própria inexperiência.

Nos anos 1980, porém, o mercado começou a decair, especialmente quando as funções do vaqueiro e do tropeiro foram perdendo força, e os ciganos já não circulavam como antes.

“É o seguinte: eu não vou parar de trabalhar com couro, porque é o que eu aprendi na vida. E eu não vou parar por três coisas: uma porque eu preciso de dinheiro. A segunda é que eu não sei trabalhar com outro movimento e, por fim, porque eu quero manter a tradição da minha família. Vou tentar e a partir de hoje, eu vou criar um estilo meu, que aonde eu chegar, o cabra pode é não comprar, mas fica com vontade. Vou criar um modelo, que Deus vai me ajudar e vai dar certo”, desabafou com a esposa Francisca.

Aproveitou uma madrugada dessas e amanheceu com os moldes feitos. As cores, que antes se restringiam às selas, passaram para as sandálias e gibões. Esboça-se ali o futuro da família de seleiros, cujo passado jamais seria esquecido, visto que a mesma matéria-prima seguiria alicerçando a tradição.

Repórter Ceará com informações do Diário do Nordeste

Compartilhar...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Os comentários estão fechados
Anúncio
Mídia Kit

Anuncie no Repórter Ceará

Baixe o Mídia Kit


Contato: jornalismo@sistemamaior.com.br

Entendendo A Notícia
Curta nossa página
Escute ao vivo
SerTão TV
Visite-nos
Tempo