Justiça afasta conselheiro tutelar de Quixadá a pedido do Ministério Público

12 de dezembro de 2019 às 17:11

A 3ª Vara da Comarca de Quixadá afastou, a pedido da 3ª Promotoria de Justiça, o conselheiro tutelar Gilmar Ferreira da Cunha Júnior por condutas incompatíveis com o cargo. Segundo a promotora de Justiça Cibelle Nunes de Carvalho, o acusado “agiu de forma preconceituosa, racista, grosseira, dando ensejo às situações constrangedoras e humilhantes” no atendimento aos usuários do sistema de proteção e com colegas de trabalho.

O juiz Adriano Ribeiro Furtado considerou que “as acusações são graves e lastreadas em meios de prova robustos. Não só o depoimento de diversos usuários do sistema de proteção, mas também as oitivas de demais agentes públicos, bem como relatório conclusivo do Conselho dão conta das supostas situações vexatórias e humilhantes causadas pelo demandado”, consta na decisão.

O magistrado reforçou ainda que “o afastamento é recomendado para que a credibilidade do próprio órgão seja preservada, além de ser medida necessária para a regular instrução processual”, conclui.

Diante dos fatos apurados em inquérito civil, o Ministério Público pediu a suspensão do exercício da função de conselheiro tutelar, pelo descumprimento de suas atribuições, prática de ilícitos que comprometem sua idoneidade moral e conduta incompatível com a confiança outorgada pela comunidade. A decisão foi publicada na última terça-feira, 10, e o processo segue em segredo de justiça para proteção das vítimas.

Repórter Ceará

Compartilhar...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Os comentários estão fechados
Anúncio
Mídia Kit

Anuncie no Repórter Ceará

Baixe o Mídia Kit


Contato: jornalismo@sistemamaior.com.br

Entendendo A Notícia
Curta nossa página
Escute ao vivo
SerTão TV
Visite-nos
Tempo