O pioneirismo sertanejo e a resistência democrática

Itamar Filho • Colunista do Repórter Ceará
10 de novembro de 2020 às 09:54

O debate talvez seja a forma mais igualitária de se apresentar e acompanhar propostas e candidatos em tempos de eleição. Outros dispositivos, quaisquer que sejam, tenderão a um – ou uns – determinado candidato em detrimento de outro. Logo, se essa ferramenta garante uma paridade entre tais e é basilar para o processo democrático, por qual motivo vem perdendo destaque e importância nos últimos pleitos?

Tempos de televisão e rádio, dinheiro do fundo partidário, comícios, carreatas, caminhadas, distribuição de materiais e afins são momentos distintos que ajudam a formar o todo que é uma campanha política. Todos esses citados, porém, não são assegurados a todos os postulantes, por exemplo. Enquanto candidatos tem um tempo de mais de 4 minutos e orçamentos milionários, outros tem tão somente sua voz e propostas. Não quero entra aqui no mérito dessa última, mas não podemos negar a desigualdade existente, porém existem outros dois momentos que apaziguam essa desigualdade: as sabatinas e os debates. O debate, o diálogo em um ambiente democrático, sempre existiu. Fora assim desde os filósofos da Grécia Antiga, passando pelo Senado Romano até a contemporaneidade. São também comuns e tradição no Brasil desde a década de 1980, com a redemocratização do país. Neles, há a garantia da igual participação a todos, com momentos geralmente divididos em blocos, onde os candidatos respondem, perguntam e apresentam.

‘São’ assim ou ‘eram’ assim? Nós vivemos um momento caótico, e não só na política. Uma pandemia que já vitimou mais de 1,1 milhão de pessoas no mundo e quase 160 mil no Brasil está em uma aproximação de 2ª onda de contágio em massa, bem como as crises econômicas e sociais que não dão trégua por estratégias falhas de governos contribuem para as instabilidades no país. Em meio a tudo isso, uma eleição que corre afoita. Qual momento teríamos para conhecer mais os candidatos, suas propostas e também contradições? Diríamos, antes, que é o debate, porém, como se a coisa já não estivesse ruim o suficiente, esse momento tão singular, e por vezes decisivo – vide o que aconteceu nas eleições presidenciais de 1989 – não será realizado em plenitude em capitais e na maior parte do país.

Com os agravos da situação do Coronavírus, as maiores emissoras de televisão do país, e por consequência, dos mais importantes debates eleitorais nas capitais e regiões metropolitanas, resolveram por bem não realizar debates; parte do rádio também seguiu a cartilha ditada pela Rede TV, Record TV, SBT e Rede Globo. Das maiores em audiência, apenas a TV Bandeirantes – Band – garantiu a exibição de debates em 1º turno e em um vindouro 2º. Interessante que as mesmas TV’s citadas reiniciaram as gravações de novelas e programas, mesmo com a pandemia incessante. Os meios digitais, que terão nessas eleições sua maior e mais importante atuação, não tenho dúvidas, podem garantir alguma paridade de candidatos, mas ferramentas como impulsos e propagandas pagas sempre irão favorecer aqueles que mais tem para gastar. É dessa situação de silêncio dos grandes meios de massa que surge nosso pioneirismo e resistência – que intitulam esse texto.

A Sertão TV é pioneira de nascença, e não há quem negue. A 1ª emissora de televisão 24h no ar do Sertão Central cearense carrega o orgulho de representar as milhares de pessoas que vivem em uma das regiões que quase sempre foi esquecida por governantes. Não poderia ser outra a realizar os primeiros debates televisionados da história de nossa região. Com uma organização de causar inveja a veículos muito mais poderosos, um jornalismo sério e condizente com suas linhas editoriais e uma equipe excepcional, os debates – iniciados com louvor pelos candidatos da cidade de Senador Pompeu que compareceram – se destacaram pela dinâmica e por, ao mesmo tempo serem novidades, mas que não negaram suas pré-existências vindas das rádios, que até então eram as principais distribuidoras desses momentos políticos. É pioneira essa iniciativa e é a prova da resistência democrática do povo sertanejo, que após décadas de coronelismos e cabrestos, sabe valorizar os direitos conquistados. Em um momento em que os grandes veículos – subservientes a meia dúzia de famílias, mas que tem concessões públicas para funcionamento – cancelam debates, censurando candidatos e, praticamente matando a voz daqueles que não dispõem de grandes estruturas, a SertãoTV mostra seu valor, a que veio, e realiza um trabalho de ‘encher a vista’. Candidatos irão se ausentar? Fugir ao debate? Dá a cara a cara para tapa? Sim, assim como fugiam outrora, mas isso não pode ser a desculpa para anularmos o valor de um debate e abrirmos precedentes para disputas políticas sem esse embate saudável. Pioneirismo e resistência, sim. Fuga e descrédito, não.

Fica aqui registrado nossos cordiais parabéns: aos candidatos que até agora compareceram e construíram ótimos momentos para nossa região, a equipe responsável pela realização desses sumários debates, ao Sistema Maior pela iniciativa e ao povo das cidades de nosso sertão, que são os protagonistas de nosso trabalho.

Esta coluna tem a pretensão de ser colaborativa. Se crê que algum tema da política e dos acasos sociais são de grande relevância, entre em contato, terei o prazer de discuti-los com você e, a depender da conversa, virar assunto de nosso espaço.

Para conferir mais artigos na coluna de Itamar Filho, clique AQUI.

Compartilhar...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Os comentários estão fechados
Enquete

Você está preparado (a) para a vacinação contra a Covid-19?

View Results

Loading ... Loading ...
Anúncio
Mídia Kit

Anuncie no Repórter Ceará

Baixe o Mídia Kit


Contato: jornalismo@sistemamaior.com.br

Entendendo A Notícia
Curta nossa página
Escute ao vivo
SerTão TV
Visite-nos
Tempo