Antes tarde do que nunca

Itamar Filho • Colunista do Repórter Ceará
13 de fevereiro de 2021 às 10:03

Quando falamos em Quixadá logo nos vem a cabeça o memória visual da Pedra da Galinha Choca e do imponente Açude Cedro, naquele casamento de beleza natural e história. Também pudera, a cidade deve muito ao complexo histórico, aliás, não só ela: a região inteira tem uma ligação com a construção. Tamanha importância merecia mais atenção do poder público, aquele responsável legalmente por ela. Demorou -muito, frisando- mas o peso da responsabilidade foi declarado pela justiça.

Considerado a primeira intervenção do Estado contra os períodos de estiagem da região sertaneja, o Açude Cedro por anos abasteceu e irrigou os campos de Quixadá e do sertão central. A obra nasceu da necessidade vista ainda no Brasil Império, após a grave seca “dos três sete”, 1877, 1878 e 1879. Com a degradação da região, a migração em massa para a capital e a desolação no centro da então província, acompanhado pela pressão que se formou em volta do ocorrido, com as primeiras coberturas da imprensa e fotos que rodaram o mundo inteiro mostrando o descaso, a Coroa autoriza medidas contra as secas, como a construção de reservatórios. Assim nasce o projeto do açude. Com a vinda de engenheiros de fora, como Dr. Revi, e intervenção política de José Jucá, então deputado provincial, o local escolhido para a construção foi o ‘Boqueirão do Cedro’, em uma Quixadá recém emancipada de Quixeramobim -a cidade logrou esse status em 1870. Alguns dizem que além do critério técnico, com a barragem das águas do rio Sitiá que nasce na Serra do Estevão, o engenheiro também se encantou com a beleza do lugar. Com uma construção arrastada, que durou quase duas décadas e assistiu momentos importantes da nação, como a queda do Império e a ascensão da República, o Cedro tinha um projeto arrojado, ousado e caro para os cofres públicos. Sua inauguração em 1906 marcou também o início do arrocho nos gastos estatais em obras, que não mais permitiriam uma beleza rebuscada e cara em “excessos”, como um gradeado inglês e piso português importado. Sem dúvidas esses elementos complementam a beleza do lugar, mas a qualidade de sua construção também e responsável por mantê-lo de pé após tanto tempo de esquecimento.

Foi preciso a sociedade civil lutar com unhas e dentes no âmbito judicial para que o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas, DNOCS, órgão federal com a tutela do reservatório, atuasse como deveria e evitasse um desgaste ainda maior da construção. Tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, IPHAN, nos anos 1980, o Cedro está inserido em um espaço Federal dentro do município de Quixadá. A própria cidade não tem o direito legal sobre a terra ou intervenções no lugar. Apenas acordos entre prefeitura e DNOCS garantiam um compartilhamento de deveres sobre o complexo, mas este, firmado no início dos anos 2000, não foi renovado em 2015, quando a irresponsabilidade sobre a barragem, os galpões e a história do lugar deu largos passos. A partir daí, um grupo formado por estudantes, professores, historiadores, políticos, jornalistas e sociedade civil investe em ações judiciais contra a esfera federal pelo descaso. O Cedro ficou tão abandonado pelas autoridades que não dispunha mais de vigias, iluminação, reparos técnicos, os galpões passaram a se deteriorar mais rápido ainda e a represa principal, símbolo mor do complexo, apresentou mais rachaduras, perdeu luminárias e cabos elétricos nos postes e até as colunas que sustentam as correntes passaram a sofrer com o vandalismo; cerca de 4 foram quebradas. O açude dependia da boa vontade dos comerciantes do local e dos moradores que lá estão há décadas. Todos pareciam de mãos atadadas, o poder público municipal sem direitos sobre o local, o IPHAN parecia ter esquecido o próprio tombamento e o DNOCS insistia em não fazer nada.

Diz o dito popular que “a justiça tarde, mas não falha”; prefiro o que usei para o título desse texto. Em 2019 um projeto de requalificação é lançado, e a ação civil ajuizada pelo Ministério Público Federal é deferida. Esperava-se a liberação de R$1,4 milhões em verbas; essas, porém, estavam bloqueadas pelo Ministério da Economia; um plano emergencial de cerca de R$300 mil foi elaborado e, no segundo semestre de 2020, a intervenção é iniciada. Nessa etapa, é previsto no acordo legal a reforma de passarelas no parque do complexo, revisão geral na fixação das colunas e instalação de 4 novas substituindo as vandalizadas, placas de sinalização turísticas verticais e sinalização horizontal, revisão dos gradis e da situação dos galpões e revisão na instalação elétrica. No meio de janeiro foi feita a instalação da nova iluminação na parede do reservatório -em LED, com tecnologia fotovoltaica, mas que foi criticada por alguns por destoar do visual clássico da construção. Sem dúvidas é um avanço e um alívio para o Cedro, mas de forma alguma devemos parar de lutar. Muitos outros pontos estão elencados no projeto principal apresentado e ainda há a verba para conseguirmos o desbloqueio. Avançamos quando trabalhamos juntos por aquele bem que é símbolo de nossa cidade e região, e sem dúvidas avançaremos muito mais se continuarmos lutando. O Cedro é memória e história, e um povo sem memória, é um povo sem nada.

Essa coluna tem a pretensão de ser colaborativa. Se crê que algum tema da política e dos acasos sociais são de grande relevância, entre em contato, terei o prazer de discuti-los com você e, a depender da conversa, virar assunto de nosso espaço.

“Vendendo meu peixe”, se você gosta de história e ficou um pouco mais instigado com a do Açude Cedro, do contexto de sua construção, a motivação, como ocorreu e seu simbolismo até hoje, temos uma série de vídeos publicados em comemoração aos 150 anos de Quixadá, em 2020, e o Cedro foi o personagem principal do último capítulo, intitulado ‘A última joia da Coroa’. Aqui, o link do vídeo disponível: https://youtu.be/4mpJjUeiMdE

Foto: Melissa Nunes

Para conferir mais artigos na coluna de Itamar Filho, clique AQUI.

Compartilhar...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Os comentários estão fechados
Enquete
Anúncio
Entendendo A Notícia
Mídia Kit

Anuncie no Repórter Ceará

Baixe o Mídia Kit


Contato: jornalismo@sistemamaior.com.br

Curta nossa página
Escute ao vivo
SerTão TV
Visite-nos
Tempo