Pontes no “Coração do Ceará”

Terezinha Oliveira • Colunista do Repórter Ceará
10 de abril de 2021 às 11:53

Ao ler “Lá Nas Marinheiras e Outras Crônicas”, o primeiro livro do jovem escritor Bruno Paulino, fiquei marcada por sua forma poética ao se referir à antiga ponte da Rede Ferroviária em duas de suas crônicas, cada uma centrada em visitantes ilustres que passaram em nossa Cidade, em épocas diferentes: Manuel Bandeira e Ariano Suassuna. Guardei as palavras de Bruno “…caminhar sobre a ponte `na espera do trem que n(o)s transportaria no tempo. O viver é travessia …” (pag. 42) e a expressão que mais me tocou “…é que ela agora virou travessia de sonhos…” (pag.22)

E de repente me deparo com a Arte de Tarcísio Filho, onde a técnica permitiu que o Fotógrafo comprovasse sua grande perspicácia e sensibilidade ao enquadrar em bela imagem o nosso Rio e seus pontos de ligação entre as margens opostas. Digo então que neste artigo não estou sozinha; nossas “Pontes” me levaram ao Bruno, Tarcisinho, Marcos Caetano e ao Vice-Prefeito Edmilson Jr.

Assim como o corpo humano, os espaços urbanos são suscetíveis às intervenções cirúrgicas para as Cidades crescerem saudáveis e atendendo bem aos seus habitantes. Outras demandas são impactantes muito além da Cidade e envolvem múltiplos interesses, como foi o caso do surgimento da centenária “Ponte Da Estrada e Ferro” em nossa Cidade. Os trilhos que permitiam o escoamento da produção, o abastecimento do Município e o deslocamento das pessoas chegaram a Quixeramobim em 1894, nos ligando à Capital e seu Porto. Mas a Linha Férrea deveria chegar ao sul do Estado e para isso precisava transpor o Rio Quixeramobim; a concretização dessa meta aconteceu em fevereiro de 1899, com a montagem das peças vindas da Bélgica para compor a majestosa Ponte, tornando viável o avanço do Trem em direção ao Cariri.

Uma oficina da RVC se instalou logo após a Ponte e motivou o surgimento de moradias na margem direita do principal curso d’água local. Os ferroviários que moravam no Centro da Cidade se deslocavam em pequenos veículos sobre os trilhos. A população que precisava atingir a margem oposta caminhava pelo leito o Rio quando as águas baixavam, ou enfrentavam os riscos de se equilibrar nos dormentes da Ponte. Nas cheias era comum a travessia em canoas. Por muitas décadas essa era a rotina dos que habitavam “no outro lado do Rio”; a Maravilha se consolidava; fixavam-se famílias junto ao Depósito e mais moradias deram origem ao Jaime Lopes. Todos enfrentavam o mesmo obstáculo: se deslocar até o Centro e outros bairros da Cidade. No início dos anos 60 a Ponte Rodoviária da CE-060 (ponte da Barragem) era uma alternativa, mas ficava muito distante da Maravilha. O problema é equacionado em maio de 1982 com a Ponte da Maravilha obra do Governo do Estado (data informada pelo historiador Marcos Caetano)

Nos anos 90 a Cidade perdeu os trilhos e deixava de ouvir o apito do trem, cujo trajeto fora desviado para área periférica onde foi construída a nova ponte ferroviária, inaugurada em 13/03/1990. Findaram as animadas chegadas e partidas na bela Estação e a imponente Ponte do Trem se torna a conexão para pedestres que se deslocam entre as duas margens, em busca dos seus objetivos.

A contínua expansão da Cidade em população e área física requer atento olhar e efetivas soluções. Em 2008, o então Gestor Edmilson Jr. empreende uma obra que dá nova feição às margens do Rio e possibilita a conexão fácil e segura do populoso Jaime Lopes com as demais áreas da Cidade com a obra da Passagem Molhada. Mas o Projeto não se restringiu ao vínculo entre dois pontos; está associado ao resgate e embelezamento de área que margeia o Rio Quixeramobim, no trecho posterior à Barragem. Falo da Via Paisagística onde os moradores de qualquer bairro realizam práticas esportivas, além de muitas opções de entretenimento.

A foto que abre esse texto mostra em sequência: a Passagem Molhada, a centenária Ponte de Ferro, a Ponte da Maravilha e a Ponte Ferroviária atual.

Entre todas estas, a mais antiga se tornou um ícone de Quixeramobim; por sua história e beleza arquitetônica inspira os artistas. É local ideal para registros em vídeos e outras imagens. Bruno Paulino atentou sobre os transeuntes que vão em busca de realizações e Tarcisinho captou incríveis momentos neste cenário.

Fotos: Tarcísio Filho

Para conferir mais artigos na coluna de Terezinha Oliveira, clique AQUI.

Compartilhar...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Os comentários estão fechados
Enquete
Anúncio
Entendendo A Notícia
Mídia Kit

Anuncie no Repórter Ceará

Baixe o Mídia Kit


Contato: jornalismo@sistemamaior.com.br

Curta nossa página
Escute ao vivo
SerTão TV
Visite-nos
Tempo