Calçadas são bens públicos: devem assegurar a acessibilidade dos pedestres

Terezinha Oliveira • Colunista do Repórter Ceará
24 de abril de 2021 às 11:58

Ao retornar à Quixeramobim em 2004 observei que as ruas se tornaram caminhos usados pelos pedestres, conflitando com os veículos. Olhando ao redor entendi o motivo dessa descuidada prática: as calçadas e até as praças estavam indevidamente ocupadas por diversos obstáculos ou são desniveladas por rampas construídas ao bel prazer de moradores desavisados e inconsequentes que ferem o legítimo direito dos Pedestres e Cadeirantes se deslocarem. Na zona central e nas ruas que se tornaram corredores de atividades a calçada passou a ser um espaço bastante disputado por pedestre, vendedores ambulantes, mercadorias, equipamentos das lojas e outros obstáculos.

Para melhor entendimento da questão digo que “passeio/calçada é um caminho para pedestres que margeia uma rua, e que é geralmente incluído no domínio público, portanto, NÃO devem ser “privatizadas”. Essa faixa de acesso às residências e estabelecimentos diversos deve ser cuidada por seus respectivos proprietários, mas seu uso é para caminhantes que precisam ter condições seguras. Buracos, pedras soltas, desníveis, uso de pisos escorregadios são alguns dos exemplos que diariamente vitimam pedestres menos atentos ou mais vulneráveis a tropeços, quedas e até mesmo fraturas. Daí ser necessário um maior acompanhamento do Órgão Público competente, quando da análise dos projetos de construção e/ou reformas, exercendo contínua fiscalização das intervenções não autorizadas e inadequadas. São comuns rampas de garagens gerando degraus que dificultam a passagem de cadeirantes e carrinhos de bebês. abusos maiores são batentes e até escadas ou até calçadas em dimensões inferiores à área mínima de 1,5 m de largura. Esse absurdo é facilmente encontrado, havendo inclusive um prédio em construção ferindo essa norma.

A avenida Geraldo Bizarria, importante Corredor de Atividades diversas e principal Via de Acesso a populoso bairro residencial, vem sendo modificada em seu desenho original que dispunha de Ciclovias e largo Passeio para praticantes de caminhadas. Aliás, percorrer essa artéria está perigoso para todos e todas, estejam a pé ou conduzindo veículos

Os artigos 182 e 183 da Constituição Federal de 1988 que tratam da política de desenvolvimento urbano e da função social da propriedade foram regulamentos pela Lei Federal 10.257, conhecida como o Estatuto das Cidades. O espaço urbano é também alvo da aplicação de leis municipais tais como a Lei Orgânica Municipal, o Plano Diretor e seus componentes: a Lei de Uso e Ocupação do Solo, Lei do Sistema Viário, Código de Obras e Posturas, porém estas são desconhecidas por grande parte da população que reside no município. As leis e normas existem para orientar e organizar a vida em sociedade, mas, para que isto se cumpra é necessário conhecimento e a clareza desses instrumentos por todos e para todos.

Registro uma tentativa de desobstrução das calçadas da Cidade com o Projeto “CALÇADA CIDADÔ, por iniciativa da Coordenadoria de Urbanismo da Secretaria de Infraestrutura Municipal. Entretanto, essa tentativa não encontrou sucesso pois é muito arraigada entre os comerciantes a desobediência civil, o individualismo e o comodismo, tendo como lastro a frágil educação para a vida em Comunidade. Recentemente o Projeto Quixeramobim 2020 empreendeu ação nesse sentido, teve larga divulgação e obteve resultados positivos em sua fase inicial. Mas já é visível o arrefecimento da primeira reação e nada mudou quanto às barreiras físicas de desníveis abruptos e larguras mínimas.

Desse modo, o Quixeramobim “progressista” carece de soluções para a problemática do espaço urbano e em especial, o da calçada pública. Isso precisa ser discutido e reorganizado de modo que possa cumprir as funções que lhes são atribuídas; todos os logradouros devem ser contemplados com a calçada considerando que esta é a parte da via destinada ao pedestre para que ele possa transitar com segurança. É seu DIREITO.

Foto: Alex Pimentel

Para conferir mais artigos na coluna de Terezinha Oliveira, clique AQUI.

Compartilhar...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Os comentários estão fechados
Enquete
Anúncio
Entendendo A Notícia
Mídia Kit

Anuncie no Repórter Ceará

Baixe o Mídia Kit


Contato: jornalismo@sistemamaior.com.br

Curta nossa página
Escute ao vivo
SerTão TV
Visite-nos
Tempo