Chegou julho das férias escolares: onde a garotada e os jovens podem curtir?

Terezinha Oliveira • Colunista do Repórter Ceará
11 de julho de 2021 às 12:29

O descanso merecido após o primeiro semestre letivo pede relax com boas diversões em lugares agradáveis. A tecnologia avançada das mídias oferece vários vídeos de jogos, filmes e canais interativos sem sair de casa. Mas será saudável ficar em continuada reclusão? Já não basta mais de um ano em isolamento? Mesmo que ainda estejamos vivendo sob a ameaça dos efeitos do coronavírus, seria salutar o contato com a Natureza, bem como reencontrar pessoas do círculo afetivo e/ou familiar, desde que sejam tomadas as precauções recomendadas nos protocolos vigentes no âmbito sanitário.

Uma visita aos rincões rurais e banhar-se nos cursos d’água, até empreender uma pescaria pode ser uma aventura do agrado dos pequeninos e maiores. Além do lazer é uma forma de fortalecer o sentimento de pertencer ao Lugar de suas origens para sedimentar a identidade familiar e cultural. Quantas histórias da carochinha, adivinhações e brincadeiras nossos avós nos repassavam. As crianças de hoje merecem uma infância do “Era uma vez”, “faz de conta”, “esconde-esconde”, “adivinhações” comer frutas tiradas do pé etc.

E o que a Cidade tem a oferecer? Ah! Nossas Cidades não se preparam para oferecer a diversão tranquila e saudável ao seu público mais importante – seus moradores. Não exigem dos especuladores imobiliários, do grupo de construção civil e outros negociantes, o respeito às exigências de Áreas livres a se incorporarem ao “Patrimônio Público” e garantirem o ambiente saudável à todas faixas etárias. A opção de Lazer é um Direito e, portanto, é um Dever da Municipalidade oferecê-lo – trata-se da humanização do espaço urbano.

O Geógrafo Milton Santos, um dos maiores pensadores do Brasil afirmou: “Quem não pode pagar pelo estádio, pela piscina, pela montanha e ar puro, pela água, fica excluído do gozo desses bens que deveriam ser públicos porque são essenciais” .

A “Cidade Coração do Ceará” vem experimento alto índice de expansão da área edificada, sem a correspondente implantação de áreas públicas destinadas ao lazer de sua população residente. As praças disponíveis atualmente foram construídas antes do ano 2000. Lamenta-se ainda alterações no desenho e dimensão de uma das mais belas – a Praça Kalil Skeff, hoje encolhida entre prédios comerciais privados e o Mercado Municipal da Carne.

O que mais surgiu nas últimas décadas foram quiosques nas praças reformadas com recursos do PROURB (financiamento do Gov. Estadual) nas áreas do Centro. Apesar da Prefeitura manter a Banda de Música Municipal Sebastião Doth não há coretos para boas audições musicais desta Banda e/ou grupos de seresteiros com o Resgatando à BOEMIDADE.

A urbanização das margens do Rio Quixeramobim no início do trecho à jusante da Barragem instalou a “Via Paisagística”; uma área convidativa às caminhadas e pedaladas, além de práticas de exercícios físicos nos aparelhos ali instalados. Em menor dimensão a Praça Cel. João Paulino também permite essas prática.

O fato a lamentar é a inexistência de pelo menos um Parque Urbano que ofereça aos habitantes de Quixeramobim áreas de preservação das espécies nativas do bioma regional, produzindo ar saudável e a contemplação da beleza da Natureza. As Praças multiplicadas por todos os bairros deveriam se tornar jardins atraentes que elevariam o índice de cobertura vegetal por habitante, um dos mais importantes índices da qualidade de Vida de uma Sociedade.

Para conferir mais artigos na coluna de Terezinha Oliveira, clique AQUI.

Compartilhar...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Os comentários estão fechados
Enquete
Anúncio
Entendendo A Notícia
Mídia Kit

Anuncie no Repórter Ceará

Baixe o Mídia Kit


Contato: jornalismo@sistemamaior.com.br

Curta nossa página
Escute ao vivo
SerTão TV
Visite-nos
Tempo