O cachorro ladrou alto, mas no final pediu ajuda ao morcego

Itamar Filho • Colunista do Repórter Ceará
20 de setembro de 2021 às 10:53 0

A história que vou contar é de um cachorro que sabia ladrar – e só. O cão se achava muito bem articulado, pois liderava uma matilha de outros, tão salafrários quanto ele. Viviam rosnando para outros bichos, se achavam superiores por suas ideias e queriam imputar ao ambiente, tão plural quanto suas capacidades mentais dispunham, aquilo que lhes parecia ser o melhor caminho: uma ditadura canina. Para isso, o cachorro escolheu seus alvos, uma data que parecia simbólica e convocou sua matilha para que essa arrebanhasse os outros animais – em sua esmagadora maioria formada por um gado já mais idoso, que adorava os tempos de abate e mugia para cada latido do cachorro; juro que era possível ouvir um “eu autorizo, presidente” entre os mugidos. E assim a matilha o fez, convocando a massa boiada para o grande dia, do espetáculo derradeiro, onde o cachorro anunciaria seu golpe final, destituindo os outros bichos para comandar o ecossistema. A expectativa gerada foi tremenda, porém o cachorro velho, que mesmo tendo passado toda sua vida de mamífero mamando, permita-me a redundância, nos peitos daquela mata, subestimou os outros animais, que, a cada dia mais próximo do ato, contra-atacaram, mostrando ao cão que ele não passa de ladrador, que sua matilha terá um enjaulado destino e seu rebanho vai mugir mais vorazmente também contra seus donos. No dia marcado, o tabuleiro virou, o cachorro ladrou, mas lhe faltou gado para ouvir e, principalmente, agir.

O cerco fechou, cachorro, e você vai fazer o que? Como todo bom cão obediente, enfiou o rabo entre as pernas e correu para o dono, pedindo colo e, advinha só, o dono do cão era um morcego. Um velho morcego, que já havia mandando naquela mata, não de forma legítima, mas depois de ter dado um golpe – mas essa é outra história. Acontece que aquele morcego continua mexendo em seus pauzinhos, óbvio, por trás das árvores, longe do público, como todo outro bicho graúdo que, no fundo, manda na floresta. O cachorro ladrou alto, mas no final pediu ajuda ao morcego, e este lhe redigiu uma carta – ‘à nação’. Nem para escrever o cachorro e sua matilha servem. Nem que a Terra é redonda eles acreditam. No fim das contas, esse cachorro velho sabe que a frente ele tem dois caminhos a escolher: por um faz um acordo com os outros animais para que toda sua cachorrada seja apagada e ele volte para as sombras da sarjeta de onde nunca devia ter saído; por outro, vai treinar a garganta para ladrar ainda mais alto e radicalizar sua já bestializada matilha. Gostaria de adiantar ao pobre cão que não importa sua escolha, um destino o aguarda: o julgamento, seja ele pela lei do bicho, do homem, de Deus ou da história, e em todos eles, a sentença é tão clara quanto o medo estampado na canil face execrável do cão.

Agora, imagina se essa história se passasse na vida real, hein? O quão absurdo seria algo assim, não?

Para conferir mais artigos na coluna de Itamar Filho, clique AQUI.

Compartilhar...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Deixe uma Resposta

Enquete
Anúncio
Entendendo A Notícia
Mídia Kit

Anuncie no Repórter Ceará

Baixe o Mídia Kit


Contato: jornalismo@sistemamaior.com.br

Curta nossa página
Escute ao vivo
SerTão TV
Visite-nos
Tempo