Operação Fantasma: Vereadores que não foram presos em Itarema devem agilizar convocação de suplentes para eleger nova mesa diretora

Os cinco vereadores da Itarema que não foram presos na 2ª fase da Operação Fantasma, nesta quarta-feira, 28, terão de agilizar a convocação de suplentes para eleger uma nova mesa diretora, conforme explica o promotor Manoel Epaminondas. Os membros que formavam a mesa diretora atual foram presos por suspeita de contratação de funcionários fantasmas. Segundo denúncia do Ministério Público, 20 dos 39 funcionários da Casa têm os salários desviados.

“Os cinco vereadores vão ter que criar uma comissão, convocar os suplentes e eleger uma nova mesa diretora para manter as atividades legislativas. Os demais vereadores serão também investigados”, explica a promotora de Justiça Mayara Menezes.

“Vai ser requerido na Justiça que seja condenado ao ressarcimento além de multa civil e dano moral ao município em virtude de os vereadores terem praticamente traído seus eleitores”, diz o promotor de Justiça Manoel Epaminondas.

Os parlamentares presos são suspeitos de estelionato, falsidade ideológica, falsificação de documento particular e peculato. Segundo denúncia do MPCE, os servidores fantasmas recebiam salários sem comparecer ao prédio do legislativo municipal para trabalhar. Outras pessoas contratadas eram obrigadas a repassar parte de seus salários para os vereadores investigados.

Repórter Ceará – Com o G1